Cartaz da Cidade - Logo

Com a alta nos preços dos combustíveis, o consumidor precisa estar atento para não cair em armadilhas na hora de abastecer.

O uso de gasolina adulterada pode causar sérios prejuízos nos veículos, segundo especialistas. A recomendação é que o consumidor procure postos de combustíveis de sua inteira confiança para abastecer. No caso de dúvidas sobre o produto, os clientes podem pedir que os funcionários do posto façam um teste para comprovar a qualidade do combustível.

O combustível adulterado pode provocar sérios danos ao veículo, se for usado frequentemente. Usar esse tipo de combustível consiste em grande erro por parte dos motoristas. Inicialmente é possível pensar que existe economia. A longo prazo, os danos às peças do veículo diminuem a resistência e aceleram prazo de manutenção. Ou seja, o carro trafega menos e gasta mais gasolina.

Na maioria dos casos a adulteração é feita com o etanol. Isso ocorre quando a quantidade de álcool na gasolina é maior do que a permitida pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), no caso, 25%.

Fique atento!           

Quando a esmola é demais, até o Santo desconfia! Postos com preço de gasolina abaixo da média precisam de ponderação por parte dos consumidores.

Isto porque valores pequenos são principais indícios de combustível adulterado. Abastecer carros com “gás” de baixa qualidade não proporciona economia.

Os problemas gerados por causa do combustível adulterado surgem nos primeiros 5.000 km.

Listamos alguns problemas nos motores dos carros causados por esse tipo de combustível, dentre eles:

- Entupimento da bomba de gasolina – o mecanismo fica no tanque e leva o combustível até o motor. Com isso, o carro começa a falhar e o motor “morre”, sendo preciso dar a partida várias vezes para o carro voltar a funcionar.

- Corrosão do sistema de injeção eletrônica - é um conjunto de peças que injetam a quantidade exata de gasolina nos cilindros para o motor funcionar, evitando desperdícios. Se esse sistema parar de funcionar, o carro para também.

- Acúmulo de resíduos na parte interna do motor – causado pela queima de gasolina adulterada. Esses resíduos ocupam o espaço de movimentação das peças móveis do motor, dificultando a articulação delas. Os resíduos podem atingir também a bomba de óleo.

O empresário Plácido, administrador dos Postos Juazeiro, na cidade de Juazeiro-BA, recomenda que, “caso haja dúvida, pode ser feito um teste simples e obrigatório em qualquer posto de combustíveis para saber qual é a porcentagem de álcool existente na gasolina vendida. Em um recipiente de 100 ml o frentista coloca metade de água e metade de gasolina. A gasolina não se mistura com a água, apenas o etanol. Então é só ficar de olho: se o líquido transparente (mistura do etanol com água) atingir 10 ml é a quantidade ideal, 25%. Caso o líquido transparente seja maior, o combustível é adulterado”.

Outra forma de evitar problemas é abastecer o veículo em postos da confiança do cliente. A denúncia em casos de adulteração também é importante. Se o cliente se sentir lesado, pode procurar a ANP, pelo site www.anp.gov.br, ou pode procurar o Procon e fazer valer o seus direitos.

Desconfie de preços muito baixos e abasteça sempre num posto de sua confiança. A ANP (Agência Nacional do Petróleo) emite um documento de certificado de qualidade aos postos devidamente regularizados, peça para o frentista mostrá-lo. O combustível adulterado é indistinguível no cheiro ou na cor, em comparação ao legítimo.

Na hora de abastecer não fique na dúvida, procure um posto de sua confiança, como os Postos Juazeiro, e tenha certeza de estar adquirindo um produto de excelência.

Afinal, o barato pode sair caro!

Central de Jornalismo do Cartaz da Cidade.

 

Postado em 22 de ABR 2015